20/06/2024 08:29

Empresas recorrem à tecnologia para atender às necessidades do viajante corporativo e ainda economizar

Estudo aponta os principais fatores que atingem o bem-estar do colaborador durante essa jornada, como horários e classes de voos. Especialista da VOLL sugere caminhos para dribá-los

As viagens corporativas têm atingido números impressionantes, com uma alta de 23,7% no primeiro quadrimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2022, quando já se havia atingido o patamar pré-pandemia. Os dados do Levantamento de Viagens Corporativas (LVC), desenvolvido pela FecomercioSP em parceria com a Associação Latino Americana de Gestão de Eventos e Viagens Corporativas (ALAGEV) apontam um incremento de R$ 6,4 bilhões no setor.

 

“Nesse contexto de elevada demanda, é comum os viajantes a trabalho serem desafiados a passarem por situações desgastantes ao se deslocarem em busca das oportunidades de negócios”, afirma Luiz Moura, cofundador da agência mineira de viagens corporativas VOLL e conselheiro de turismo da FecomercioSP, que acaba de voltar do Global Business Travel Association (GBTA 2023), em Dallas, nos EUA.

 

O resultado de um estudo apresentado durante o evento, a respeito do bem-estar do viajante corporativo durante essas jornadas, condiz com as demandas que as empresas levam para a VOLL quando procuram por suas soluções. Ele mostrou os aspectos que mais impactam os turistas a trabalho e o peso que eles têm na experiência da viagem:

 

Voo em classe econômica com mais de 6h de duração: 40%;

 

Equilíbrio da vida pessoal e profissional, prejudicado principalmente entre segunda e quinta-feira: 30%;

 

Horários de voos: 20%;

 

Descompensação de horário, devido à troca de fuso horário ou jetlag: 10%

 

Ainda devem ser considerados aspectos como facilidade de solicitação, categoria do hotel, frequência de viagem e voos domésticos e internacionais. Por isso, grandes corporações têm investido nas parcerias com empresas de inovação para atender aos desejos de seus colaboradores durante as viagens a negócios.

 

A agência mineira de viagens corporativas VOLL é protagonista em seu setor com desenvolvimento de tecnologia própria, com uso via plataforma e app, capaz de otimizar as viagens de ponta-a-ponta e ainda gerar economia de pelo menos 30% para as empresas com turismo corporativo. “Hoje tornou-se possível mensurar o bem-estar do viajante corporativo e as grandes empresas sabem o quanto isso afeta o desempenho final de cada colaborador. Por isso, as mais arrojadas estão dedicando esforços a oferecer as melhores, mais confortáveis e seguras condições possíveis e ainda economizar para não perder as oportunidades de mercado”, afirma Luiz.

 

A startup atende mais de 300 companhias do porte de Itaú, Nubank, Fundação Dom Cabral, Vivo e Andrade Gutierrez, totalizando cerca de 450 mil usuários. Seu crescimento em 2022 foi de 150% em comparação com o ano anterior, quando faturou R$ 200 milhões.

 

Sobre a VOLL – A VOLL é protagonista da revolução no mercado de gestão de viagens, mobilidade e despesas corporativas no Brasil. Como a maior agência de viagens corporativas da nova economia, ela une tecnologia e atendimento premium para unificar e simplificar todas as etapas da jornada corporativa. Além de oferecer uma série de serviços customizados, a VOLL oferta com exclusividade seu meio de pagamento digital 100% pré-conciliado, permitindo que em um único app seja feita toda a organização da viagem até a gestão das despesas, em tempo real. Hoje, os mais de 450 mil usuários são atendidos 24/7, via canais diversos, por uma equipe especializada espalhada por todo o território nacional e unidades em São Paulo e Belo Horizonte. A VOLL é uma scale-up investida pela Vivo e pela Localiza e uma das integrantes do ranking 100 Startups to Watch 2021.

 

Fonte: Mariana Celle

Veja também