12/06/2024 13:24

Fumar causa danos irreversíveis à saúde ocular

Há algumas décadas, fumar até poderia ser um sinal de status, um hábito de muitas pessoas, mas isso já é passado. A verdade é que diversos estudos apontam os malefícios do tabagismo, como a dependência e, inclusive, o acometimento da saúde ocular. As diversas campanhas de combate ao tabagismo seguem sendo importantes para se discutir a manutenção desse costume e conscientizar a população sobre seus malefícios.

Entidades como a Organização Mundial da Saúde (OMS) temem pelo atraso no diagnóstico e tratamento, deixando centenas de pessoas cegas. A estimativa é que cessar o tabagismo previne até 80% das doenças que causam cegueira.

As assustadoras imagens nas embalagens têm um motivo: alertar os fumantes sobre os riscos decorrentes do costume. Afinal, a condição mata mais de 200 mil brasileiros ao ano. Normalmente, a principal doença ligada ao ato é o câncer, principalmente o de pulmão, porém é essencial entender que a lista é extensa.

Fumar também compromete a qualidade da saúde ocular, com o desenvolvimento de olho seco, queda da pálpebra, catarata, glaucoma e degeneração macular. O olho seco, neste caso, é causado pela inflamação decorrente dos componentes presentes no cigarro, reduzindo a produção da lágrima natural, responsável pela lubrificação e troca de oxigênio da superfície ocular.

Já a queda da pálpebra, que deixa o olhar cansado e envelhecido, passa longe de ser somente uma questão estética, pois causa incômodo ao restringir o campo visual, provocando, ainda, lacrimejamento constante e ardência. A solução está na cirurgia de blefaroplastia, para remover o excesso de pele e a flacidez nas áreas, propiciando maior conforto e autoestima.

Os fumantes ainda podem apresentar a catarata mais cedo, pois o envelhecimento do cristalino ocorre mais precocemente, deixando a visão cada vez mais embaçada. Além disso, pode gerar cataratas especiais, típicas do fumante, em que a pessoa passa a enxergar como se fosse através de um vidro sujo, o que piora a visão, considerável e rapidamente.
Mesmo o glaucoma está fortemente associado ao fumo.

O glaucoma eleva a pressão intraocular, causando dores, náuseas, vômitos, vermelhidão e dificuldade para enxergar em ambientes escuros em casos agudos. A pressão elevada provoca a morte progressiva do nervo óptico, pois, quando atingido, pode deixar a pessoa cega. A solução está no tratamento com colírios ou até, para aqueles que desejam continuar ou diminuir os colírios, a moderna cirurgia de SLT, para controle da pressão intraocular.

A degeneração macular ocorre acima dos 50 anos, com o depósito de substâncias tóxicas na mácula, região da retina que permite enxergar os detalhes dos objetos e letras. Contudo, ao longo do tempo e do consumo do tabaco, os indivíduos passam a perder a qualidade da visão, apresentando dificuldade para ler e ver determinadas coisas. Os casos mais graves podem culminar em cegueira.

É essencial alertar que o risco para todas essas condições não está restrito somente aos fumantes ativos. Afinal, quem convive com eles, inclusive as crianças, também consomem o produto, indiretamente, pela fumaça, que ainda contém muitos componentes tóxicos do produto original.

Juliana Guimarães é oftalmologista e diretora do Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães

Fonte: O Tempo

Veja também