12/06/2024 04:14

Agricultores da Nova Zelândia preparam protesto nas eleições contra medidas climáticas

Fazendeiros realizaram vários protestos nos últimos dois anos contra as crescentes regulamentações e esquemas de emissões agrícolas

A revolta dos eleitores rurais com as políticas ambientais da Nova Zelândia para combater as mudanças climáticas e reduzir as emissões de carbono pode contribuir para o retorno de partidos de direita ao poder na eleição de 14 de outubro, uma mudança que pode diminuir a imagem sustentável do país.

Um flerte dos eleitores rurais com o Partido Trabalhista nas eleições de 2020, alguns pela primeira vez em décadas, terminou devido a políticas ambientais como o plantio de florestas de pinheiros em terras de pastagem e a taxação de resíduos de metano do gado.

Alertando que os meios de subsistência estão em risco, os agricultores estão procurando candidatos conservadores que possam reverter ou adiar as políticas trabalhistas.

O fazendeiro Bryce McKenzie e seu colega criador de ovelhas Laurie Paterson partiram a bordo de seus tratores na semana passada para um protesto nacional. Os dois percorrerão toda a Nova Zelândia durante 10 dias para incentivar as comunidades rurais a votarem por uma mudança.

“Os neozelandeses rurais e os fazendeiros, em particular, têm encontrado muita dificuldade nos últimos seis anos e, principalmente, nos últimos três anos, quando houve uma série de regulamentações”, disse McKenzie, cofundador do grupo de protesto rural Groundswell.

Os agricultores da Nova Zelândia realizaram vários protestos nos últimos dois anos contra as crescentes regulamentações e esquemas de emissões agrícolas. Protestos semelhantes de agricultores na Holanda contra as políticas ambientais do governo fizeram com que seu partido de protesto ganhasse, em março, apoio suficiente para abalar o Senado do país.

O Partido Nacional, de centro-direita, está liderando as pesquisas de opinião, com a votação começando em 2 de outubro, mas espera-se que ele precise do apoio de pelo menos um partido menor para governar, provavelmente o partido ACT, menor e mais à direita.

Uma pesquisa de opinião da Taxpayers’ Union-Curia no início de setembro revelou que 58% dos eleitores rurais – aqueles que vivem em assentamentos com menos de 1.000 pessoas – pretendiam votar em um desses dois partidos.

A Nova Zelândia tem estado na vanguarda da promoção de mudanças ambientais em seu setor agrícola, um de seus maiores setores e que produz cerca de 50% das emissões do país.

O primeiro-ministro Chris Hipkins disse que o país precisava continuar a avançar com as políticas de redução de emissões, inclusive as relacionadas à agricultura, pois não fazê-lo era um problema de credibilidade para o país.

“Nossas oportunidades de comércio e turismo dependem disso”, disse ele em um comunicado.

No entanto, os agricultores afirmam que estão desesperados por uma mudança nas políticas, pois enfrentam o aumento dos custos regulatórios, a queda acentuada dos preços das commodities e a inflação nas fazendas de cerca de 16% no ano passado.

Leia mais em: https://forbes.com.br/forbesagro/2023/09/agricultores-da-nova-zelandia-preparam-protesto-nas-eleicoes-contra-medidas-climaticas/

 

Veja também